sábado, 23 de janeiro de 2016

No Final o que importa realmente?

No Final o que importa realmente?
                            No final de tudo, quando terminar nossa jornada nesta curta existência, quando o corpo exausto e sem forças desfalecer no ultimo folego, olhos fechando-se para não mais se abrirem, os pensamentos confusos, silêncio e escuridão.
                            Chegamos no final da vida, então saberemos o que realmente tinha importância e o que não tinha. O que valeu a pena e o que não valeu. Se no que investimos forças, saúde, amino, empenho e dedicação fizeram sentido.
                            Perdemos nosso tempo com bobagens, futilidades, intrigas, rusgas, radicalismos? Nossa fé foi o suficiente?  Tinham-se fé como acreditávamos ter?  Nossa convicção estava certa e se estava valeu a pena ser tão convicto? Pregamos o que deveríamos?  O que deveríamos fazer era necessário? Poderíamos ter feito de outro jeito tudo o que fizemos? Nossa vida fez sentido?
                            Tantas perguntas que com certeza serão respondidas naquele dia, no dia quando terminar nossa caminhada nesta terra. Saberemos o quão sábio fomos ou choraremos por tamanha estupidez com que desperdiçamos nossa vida.
                            Quando olho o que fazemos em nome da “fé” ou de “Deus”, como se Deus tivesse nos pedido alguma destas que estão por ai. Fico pensando se de fato isso importa para Deus mesmo. Alguém tem convicção de ter ouvido Dele tais coisas? Mesmo que tenha, será mesmo que foi Ele quem falou? A lógica me leva a crer que não, bastando para isto ver a desordem e confusão que criamos. Deus é perfeito, não consigo imaginar desordem e confusão em Deus.
                            Cantamos, damos ofertas, alimentamos os famintos, nos reunimos aos finais de semana. Mas também recusamos amar sem limites, fechamos a mão, quando podemos abrir. Podendo estender a mão não fazemos, pois temos medo de perder o que é nosso. Esquecemos que nada é nosso neste mundo, nada levaremos.
                            Nos portamos como piedosos, mas evitamos olhar um irmão que passa do outro lado da rua, estamos com “pressa” . A vida tem pressa. Fazemos isso não só na rua.
                            No final o que importa realmente? Ser aquilo que Deus deseja. Ser como Cristo foi.
                            Ter será a ultima coisa que Deus vai querer saber, se é que vai querer saber disto.
                            Porque não perguntar o que importa realmente enquanto temos folego para mudar nossos valores? A resposta é simples. Ao perguntarmos, teremos de abrir mão de tudo quanto TEMOS e GOSTAMOS, pode ser nada agradável abrir mão o que é nosso. E se for Deus quem estiver respondendo a pergunta?
No Final o que importa realmente?  Ser e não ter! creio que essa será a resposta. O ser aquilo que deveríamos ter sido.
                            Quando o tsunami chegou à indonésia pegou todos de surpresa, ninguém sonhava com aquilo. Veio e levou milhares de vidas deixando um rastro de desolação. Esse é um exemplo entre milhares durante esses anos. Temos outros tantos casos a contar, a lista é grande: Terrorismo, Terremotos, Aviões caindo, Enchentes, rompimento de barragens, corrupção etc..
                             No fim de tudo isso, quando passar, o que terá relevância? nossos bens, status, convicções ou nossa vida de serviço e dedicação a outros?
                             Outro dia uma pessoa acreditava que não perderia o emprego. Deus me deu, ninguém tira, ta amarrado, Deus é mais na minha etc. Mas perdeu! Veio o Tsunami.
                             No final de tudo o que importa realmente?