terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Pai, seja feita a tua vontade

Devemos sempre buscar seguir a oração do Senhor: "Pai... seja feita a Tua vontade, assim na terra como no céu" Muitas vezes fazemos exigências inflexíveis para que o Senhor atue em determinada situação de uma forma específica, quando nossa postura não é a correta. Frequentemente o que parece ser "bom" para nós não é "bom" para o Senhor.

Pode ser que muitas vezes o Senhor concede às pessoas seus pedidos por causa de seu contínuo suplicar e implorar, quando a coisa que eles pedem não é de fato o que seria melhor para eles aos olhos de Deus. Consequentemente, sofrem perda no fim. Isto é particularmente verdadeiro em casos de doença e de morte. Quantas vezes as pessoas pedem e importunam o Senhor pela vida de uma criança doente, por exemplo, quando talvez o Senhor queira levá-la para casa para poupá-la de um intenso sofrimento no futuro? Quantas vezes o Senhor quer levar um de seus servos para a sua morada para impedir que ele venha a cair, afastando-se dele no futuro? Não devemos sempre presumir que continuar vivendo esta vida é o "melhor". Devemos ter o cuidado de sempre dizer: "Pai, seja feita a tua vontade."
Entender qual seja a vontade do Pai em determinada situação é fundamental antes de agirmos.

A história do rei Ezequias é um exemplo disso, que seria bom estudarmos com cuidado e em espírito de oração. Ezequias serviu ao Senhor fielmente durante a sua vida. Então um dia ele caiu doente.

"Naqueles dias, Ezequias adoeceu duma enfermidade mortal; veio ter com ele o profeta Isaías, filho de Amoz e lhe disse: Assim diz o Senhor: Põe em ordem a tua casa, porque morrerás, e não viverás. Então, virou Ezequias o rosto para a parede e orou ao Senhor, dizendo: Lembra-te, Senhor, peço-te, de que andei diante de ti com fidelidade, com inteireza de coração, e fiz o que era reto aos teus olhos; e chorou muitíssimo." 2 Reis 20:1-3

O Senhor ouviu a oração de Ezequias e viu suas muitas lágrimas. Assim, ele enviou o profeta de volta a ele com a mensagem:
"Ouvi a tua oração, e vi as tuas lágrimas; eis que eu te curarei;... Acrescentarei aos teus dias quinze anos." 2 Reis 20:5-6

Ao ler isto a nossa primeira reação a esta resposta provavelmente seja algo como: "Que maravilhoso exemplo da misericórdia de Deus e de resposta à oração de um homem justo." Mas, será que a oração de Ezequias foi pelo que era realmente "bom" aos olhos de Deus? Eu digo que os quinze anos seguintes de sua vida mostraram que não.
Duas coisas significativas aconteceram. Primeiro, Ezequias tornou-se orgulhoso e recebeu visitantes do Rei da Babilónia e mostrou-lhes todos os seus tesouros.
"Nenhuma cousa houve, nem em sua casa, nem em todo o seu domínio que Ezequias não lhes mostrasse. Então Isaías, o profeta, veio ao rei Ezequias, e lhe disse: Que foi que aqueles homens disseram, e donde vieram a ti? Respondeu Ezequias: Duma terra longínqua vieram, da Babilônia. Perguntou ele: Que viram em tua casa? Respondeu Ezequias: Viram tudo quanto há em minha casa; cousa nenhuma há nos meus tesouros que eu não lhes mostrasse. Então disse Isaías e Ezequias: Ouve a palavra do Senhor. Eis que virão dias em que que tudo quanto houver em tua casa, com o que entesouraram teus pais até ao dia de hoje, será levado para a Babilônia; não ficará cousa alguma, disse o Senhor." 2 Reis 20:13-18

Mas isto não foi tudo; durante aquele período de quinze anos, Ezequias também teve um filho, chamado Manassés. Aqui está o que Manassés fez após a morte de seu pai:
"... e Manassés de tal modo os fez errar, que fizeram pior do que as nações que o Senhor tinha destruído de diante dos filhos de Israel. Além disso Manassés derramou muitíssimo sangue inocente, até encher a Jerusalém de um ao outro extremo, afora o seu pecado, com que fez pecar a ]udá, praticando o que era mau perante o Senhor." 2 Reis 21:9,16

Como resultado das ações de Manassés, o Senhor trouxe juízo a Israel:
"Então o Senhor falou por intermédio dos profetas, seus servos, dizendo: Visto que Manasses, rei de Judá, cometeu estas abominações, fazendo pior que tudo que fizeram os amorreus antes dele, e também a Judá fez pecar com os ídolos dele, assim diz o Senhor, Deus de Israel: Eis que hei de trazer tais males sobre Jerusalém e Judá, que todo o que os ouvir, lhe tinirão ambos os ouvidos." 2 Reis 21:10-12

Os últimos quinze anos da vida de Ezequias são resumidos em Crônicas:
"Mas não correspondeu Ezequias aos benefícios que lhe foram feitos; pois o seu coração se exaltou. Pelo que houve ira contra ele e contra Judá e Jerusalém. " 2 Crónicas 32:25

Não seria possível que o Senhor pretendia levar Ezequias mais cedo porque podia ver o futuro e sabia o mal que resultaria se ele continuasse a viver? Nós não devemos nos apressar a presumir que sempre sabemos o que é melhor. Nem deveríamos sempre nos apressar a pedir ao Senhor que responda os nossos desejos. Devemos aprender a buscar o Senhor para descobrir a sua preferência para nós, e então humilhar-nos sob a sua poderosa mão e prontamente aceitar a sua vontade para nós.
Fico continuamente espantada com a quantidade de coisas que o povo de Deus presume. Os crentes presumem que sabem o que é melhor, e que devem pedi-lo e mesmo exigi-lo do Senhor em toda situação.

Extraído do Livro “Prepare-se para guerra”


Claro que existem situações das quais sabemos o que Deus espera de nós, devemos orar sem cessar, interceder, mas antes de tudo, contar com a ajuda do Espirito Santo, depender Dele nos momentos de oração, esperar pela direção dada por Ele, isso fará toda diferença.

Romanos 8;26 “Do mesmo modo também o Espírito nos ajuda na fraqueza; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o Espírito mesmo intercede por nós com gemidos inexprimíveis.”

Quantas pessoas vimos que receberam “palavras” de cura ou vitória e não aconteceu nada? A acusação feita é de que “você não teve fé, por isso não recebeu...” pode ser que não era esse o proposito real de Deus para aquela situação.
Deus pode perfeitamente usar as situações que julgamos serem ruins, para nos moldar , quebrar o nosso orgulho, tirar nossa arrogância, transformando nosso carater. Poucos são os que aceitam isso.

Que nosso Deus e Pai amoroso nos ajude, nos dê um coração senvível para ouvir o que Ele tem a dizer antes de qualquer atitude de nossa parte.

Vaso para Honra

Há uma necessidade desesperada de que o povo de Deus desperte e traga a santidade à sua vida! Os cristãos professos do mundo ocidental hoje em dia se acomodaram a um evangelho que cede aos pre­ceitos deste mundo. Doutrinas de prosperidade e de satisfação dos desejos carnais estão em primeiro plano nas igrejas. Ninguém quer pagar o preço de viver uma vida realmente separada e santa.
A conseqüente pobreza na relação pessoal do cristão comum com o Senhor é espantosa. A pergunta mais comum que ouço de pastores ao telefone tem sido: "é realmente possível o Senhor comunicar-se comigo diretamente?" Como isso é trágico! Verdadeiramente, estamos vivendo numa época em que a igreja tem as características da igreja de Laodicéia:
"Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Estas cousas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente. Quem dera fosses frio, ou quente! Assim, porque és morno e nem és quente nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca; pois dizes: Estou rico e abastado e não preciso de cousa alguma, e nem sabes que tu és infeliz, sim, miserável, pobre, cego e nu. Acon­selho-te que de mim compres ouro refinado pelo fogo para te enriqueceres, vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não seja manifesta a vergonha da tua nudez, e colírio para ungires os teus olhos, a fim de que vejas. Eu repreendo e disciplino a quantos amo. Sê, pois, zeloso, e arrepende-te." (Apocalipse 3:14-19)
O brilho das "estrelas cristãs" da televisão e do "entretenimento cristão" tem cegado os olhos do povo de Deus para a sua terrível pobreza. O êxtase emocional induzido pela repetição de refrão nos cânticos de louvor, e por uma música emocional em muitos cultos, abafam completamente aquela voz suave do Espírito Santo que chama ao arrependimento e à santidade.
A. W. Tozer sintetizou muito bem isso tudo em seu livro The Pursuit of God:
"Vidas superficiais, filosofias religiosas sem conteúdo, a pre­ponderância do elemento da diversão nos encontros evangelísticos, a glorificação de homens, a confiança em demons­trações externas de religiosidade, comunidades aparentemente religiosas, técnicas de vendedores, a confusão de se tomar erradamente uma personalidade dinâmica em lugar do poder do Espírito. Essas coisas, e outras semelhantes a essas, são os sintomas de uma doença maligna, de uma doença séria e profunda da alma." (The Pursuit of God [À Procura de Deus], por A.W.Tozer, Christian Publications, Inc., 1982, p. 69)

Aqueles que aceitaram a graciosa oferta do nosso Salvador para limpar os pecados com o seu precioso sangue derramado na rude cruz do Calvário têm de colocar o pecado e a profanação fora de sua vida. Purifiquemo-nos para que possamos nos tornar vasos para honra (2 Timóteo 2:19 e 21) A escolha é nossa. Você vai se tornar um vaso para honra ou para desonra?

Somente quando alcançarmos uma reverente compreensão da grandeza e da total santidade do nosso Deus, vamos nos quebrantar e clamar:
"Ai de mim! Estou perdido! Porque sou homem de lábios impuros, habito no meio dum povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!" (Isaías 6:5)

Texto extraído do Livro "prepare-se para guerra"